Projeto “O obscuro fichário dos artistas mundanos”


O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos é um projeto cultural motivado pela existência de um conjunto de fichas produzido pela Delegacia de Ordem Política e Social de Pernambuco (DOPS/PE) entre os anos de 1934 e 1958, com registros da passagem pelo estado daqueles indivíduos vistos e nomeados como artistas.
Das mais de mil fichas que compunham esse conjunto, apenas 403 foram conservadas e encontram-se, desde 1991, sob a salvaguarda do Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano (APEJE). São indícios da vida de mulheres e homens, brasileiros e estrangeiros, protagonistas de uma movimentação ocorrida na cidade do Recife, no campo da arte e do entretenimento, nas décadas de 1930, 1940 e 1950, que lançam luz sobre uma potente história cultural e política do estado e do país.

O projeto foi idealizado e coordenado pela jornalista e pesquisadora Clarice Hoffmann e contou com a assessoria histórica do Prof. Dr. Durval Muniz de Albuquerque Junior (UFRN e UFPE), além de preciosa equipe. Trata-se de um trabalho coletivo de impressionante fôlego.

Destaco o fichário de estrangeiros:

http://obscurofichario.com.br/fichario/?c=estrangeiro

“São Paulo, pedaço do mundo” (TV GAZETA)

“Há noventa anos o jornal ‘A Gazeta’, comandado pelo jornalista Cásper Líbero, fez uma volta ao mundo sem sair de São Paulo”. Esta história foi recontada pela TV Gazeta na comemoração dos 464 anos da cidade de São Paulo, 25 de janeiro de 2018, na série “São Paulo, pedaço do mundo”.

Jornal “A Gazeta” – 31/05/1927 (Biblioteca Nacional)

Jornal “A Gazeta” – 01/06/1927 (Biblioteca Nacional)

Jornal “A Gazeta” – 02/06/1927 (Biblioteca Nacional)

Jornal “A Gazeta” – 03/06/1927 (Biblioteca Nacional)

Jornal “A Gazeta” – 04/06/1927 (Biblioteca Nacional)

Obs: Na Biblioteca Nacional não há a Edição n. 6402, que aborda a colônia árabe na cidade de São Paulo. 

Inspirada nas reportagens publicadas no jornal “A Gazeta”, em 1927, a “TV Gazeta” exibiu a série “São Paulo, pedaço do mundo”, mostrando também a influência da imigração atual na cidade de São Paulo.

“Documentário sobre os chineses em Pernambuco”


Os chineses começaram a chegar de forma efetiva no Pernambuco no início na década de 1920, a partir da Guiana inglesa. Cinquenta anos depois, nos anos 1970, foi a vez de imigrantes de Taiwan. Nas três últimas décadas, chineses vindos da tríplice fronteira – Brasil, Argentina e Paraguai – chegaram ao Recife para expandir seus negócios, ajudados pela consolidação de Suape (Paulo Goethe, “Quando o Recife se tornou um negócio da China”, Diário de Pernambuco, 2016)

“Os chinezes e suas atividades no Recife” (Diário de Pernambuco, 12 de fevereiro de 1936)

Os chinezes que emigraram para Pernambuco, além de ser em número muito restricto, fixam residência somente no Recife.

A colônia chineza no Recife é constituída de 103 homens. As mulheres não deixam seu país com facilidade. E desde que se achem fora da terra natal, não se naturalizam.

Biblioteca Nacional

Documentário “Guerra e saudade: imigração espanhola em São Paulo”

Depois da Guerra Civil Espanhola e da II Guerra Mundial, o Brasil necessitava de trabalhadores com mão de obra qualificada para o desenvolvimento industrial e urbano de São Paulo.

Projeto História Viva 
Direção: Fábio Rodrigues
Roteiro: Cintia Takiguthi
Coordenadora: Lizandra Gasparini
Produção: Kinema Produções Cinematográficas 
Realização: Memorial do Imigrante 
Secretaria de Estado da Cultura e 
Governo do Estado de São Paulo.

Instituto Carl Hoepcke mantém acervo que pertenceu a presos do campo de concentração da Trindade, Florianópolis.

Quarenta mil documentos, encaixotados e esquecidos por mais de 70 anos no Arquivo Geral da Administração da Espanha, na cidade de Alcalá de Henares, trazem agora à luz detalhes sobre um período, senão obscuro, pouco conhecido da história brasileira e dos alemães em Santa Catarina durante a Segunda Guerra Mundial. Pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que tiveram acesso ao arquivo, analisam recibos, correspondências e recortes de jornais cuidadosamente guardados, mas nunca antes catalogados, que detalham as relações da diplomacia espanhola com os alemães no Brasil – e colocam em xeque a já questionada neutralidade da Espanha durante o conflito.


Documentos que revelam as relações entre a Espanha e os alemães no Brasil durante a Segunda Guerra Mundial, e que estão sob análise de pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ajudarão a resgatar uma parte da história brasileira marcada pelas perseguições aos imigrantes e pelo medo.  Ao declarar guerra aos países do Eixo – Alemanha, Itália e Japão – o Brasil reforçou as medidas de nacionalização forçada que já vinham desde o início do período do Estado Novo, em 1937. A consequência foram prisões e  processos contra milhares de alemães em Santa Catarina. 

“Judeus que perdiam cidadania alemã durante a guerra recorriam aos espanhóis em SC”

http://dc.clicrbs.com.br/sc/nos/noticia/2018/09/judeus-que-perdiam-cidadania-alema-durante-a-guerra-recorriam-aos-espanhois-em-sc-10554655.html

“Cartas espanholas falam de condições sub-humanas em ‘campos de concentração’ de SC”

http://dc.clicrbs.com.br/sc/nos/noticia/2018/09/cartas-espanholas-falam-de-condicoes-sub-humanas-em-campos-de-concentracao-de-sc-10554646.html

“Governo abriu mais de 6 mil processos contra catarinenses durante a Segunda Guerra”

http://dc.clicrbs.com.br/sc/nos/noticia/2018/09/governo-abriu-mais-de-6-mil-processos-contra-catarinenses-durante-a-segunda-guerra-10554633.html

“Documentos revelam que Espanha ajudou alemães em SC durante a Segunda Guerra”

http://dc.clicrbs.com.br/sc/nos/noticia/2018/09/documentos-revelam-que-a-espanha-ajudou-alemaes-em-sc-durante-a-segunda-guerra-10554620.html

“Um ‘brasilianista italiano’: entrevista com Angelo Trento” (por Carla Fernandes da Conceição e João Paulo da Silva – Áskesis)

Angelo Trento é professor aposentado de História da América Latina na Universidade de Nápoles ‘Istituto Orientale’. Sendo referência internacional dos estudos sobre a imigração italiana, possui inúmeras obras publicadas, tendo pesquisado diversos temas como a imigração italiana no Brasil de 1850 a 1970, o fascismo e a história da América Latina. Atualmente, dedica-se à pesquisa e participa do grupo de pesquisa no CNPq TRANSFOPRESS Brasil – Grupo de Estudos da Imprensa em Língua Estrangeira no Brasil.

https://imigracaohistoricablog.files.wordpress.com/2018/10/um-brasilianista-italiano_entrevista-com-angelo-trento1.pdf

Visite as páginas: Consultoria em História da Família e Consultoria em Pesquisa Histórica

“‘La culpa es del extranjero’: la larga y dramática historia de la xenofobia en Argentina” (por Ignacio Montes de Oca)


Buscar la explicación de los males argentinos en los inmigrantes es un defecto tan actual como repetido. La historia de ese odio constituye uno de los capítulos más oscuros de nuestra historia.

https://www.infobae.com/sociedad/2018/09/22/la-culpa-es-del-extranjero-la-larga-y-dramatica-historia-de-la-xenofobia-en-argentina/

Compartilhado do NIEM – Núcleo Interdisciplinar de Estudos Migratórios

Visite as páginas: Consultoria em Pesquisa Histórica e Consultoria em História da Família.

“Cuando 12.000 sin papeles españoles llegaron a la próspera Venezuela de los años 50”, por David Placer.

Más de 120 barcos canarios ilegales cruzaron el Atlántico entre 1948 y 1952 en búsqueda de una vida más próspera. Los últimos supervivientes relatan un viaje lleno de penurias, sin agua ni comida y a merced de los temporales. Debían pasar la cuarentena en La Orchila, pero en pocos meses ganaban ‘fortunas’ y se adaptaban con gran facilidad al país donde ‘todo era demasiado barato’.

https://alnavio.com/noticia/11932/delared/cuando-12.000-sin-papeles-espanoles-llegaron-a-la-prospera-venezuela-de-los-anos-50.html