Documentário “Eretz Amazônia: os judeus na Amazônia”, dirigido por Alan Rodrigues, 2004


O documentário conta a saga da imigração dos judeus oriundos do Marrocos para a Amazônia a partir de 1810.
Em algum momento na história de um povo perseguido, a Amazônia se tornou a eretz, a terra da promissão. É essa aventura que o documentário conta com depoimentos e reconstituições de época.
A base histórica do documentário é o livro Eretz Amazônia, do pesquisador amazonense Samuel Benchimol, que no final dos anos 80 e início dos anos 90, fez um levantamento completo das famílias judaicas que se estabeleceram na Amazônia.
Filme vencedor do primeiro DOC-TV no Estado do Pará em 2004. Lançado em rede nacional pela Tv Cultura em 2005 (por Judaismo para Todos).

Direção: Alan Rodrigues

Co-direção: David Elmescany

Produção Executiva: David Salgado Filho

Co-produção: Alan Rodrigues / Digital Produções / TV Cultura – Pará / TV Cultura São Paulo

Continua nas partes 4 e 5:

Documentário “El tren de la memoria”, dirigido por Marta Arribas e Ana Pérez, 2005.


España. Años sesenta: Dos millones de españoles salen del país empujados por la necesidad. Su destino: Alemania, Francia, Suiza y los Países Bajos. La mitad son clandestinos y viajan sin contratos de trabajo. El ochenta por ciento son analfabetos. Ante ellos se levanta el muro del idioma y las costumbres diferentes.

España. En la actualidad: Otros necesitados llaman a la puerta de un país próspero. Casi nadie se acuerda de la otra historia. Josefina sí. Ella recuerda su viaje en el tren de la memoria. Destino: Núremberg, Alemania.

EL TREN DE LA MEMORIA retrata el éxodo de dos millones de españoles que buscaron la prosperidad en Europa en los años sesenta. Se fueron para unos meses, se quedaron treinta años. El documental pretende cubrir una laguna en la reciente historia de España y saldar una deuda con los protagonistas de unos tiempos difíciles de los que apenas sabemos algo más que una escueta historia oficial y unos cuantos tópicos.

Documentário “Libertários”, 1976 (produção, roteiro e direção de Lauro Escorel Filho)


Documentário sobre a história do início do movimento operário, liderado pelos anarquistas. Mostra a transformação dos imigrantes nos primeiros operários urbanos e faz uma crônica das greves mais importantes, dos sucessos e derrotas do movimento, desde o fim do século passado até 1922. O filme resgata a história da força anarquista na luta operária e seu papel na criação deste movimento.

Curta-metragem “Janela Molhada”, Carlos Enrique Lopes

O curta-metragem “Janela Molhada”, dirigido por Marcos Enrique Lopes, retrata a história de dois pioneiros italianos do cinema mudo no Brasil, Ugo Falangola e J. Cambieri, que, em 1920, em Pernambuco, fundaram a primeira produtora de cinema do estado. O filme traz uma entrevista com a filha de Ugo, Adriana Falangola, 92 anos, última remanescente do cinema mudo brasileiro.

“Janela Molhada” conta também com depoimentos de especialistas no assunto como os pesquisadores Carlos Roberto de Souza e Luciana Corrêa de Araújo, do laboratorista Carlos Eduardo de Freitas e da colorista Luíza Malzoni, que levantam a questão da preservação e restauração de acervos através do método “janela molhada”, abordam os ciclos regionais de cinema e apresentam uma coleção de fragmentos de filmes mudos.

O título “Janela Molhada” é uma analogia a recuperação de películas em nitrato, processo de restauração e preservação de filmes do período silencioso, um processo que reduz os riscos de transferência de nitrato.

Documentário “Ultrapassando fronteiras: os 120 anos do Japão no Brasil”


O documentário ‘Ultrapassando fronteiras: os 120 anos de Japão e Brasil’ conta a história da imigração japonesa para o país. O longa é conduzido a partir da vida e da obra de dois ilustres japoneses que emigraram para o Brasil atrás de dias melhores: Haruo Ohara e Tomie Ohtake. Haruo foi um desbravador que com muita luta e sacrifício conquistou suas próprias terras e deixou para seus filhos o legado da educação, possibilitando a todos o diploma de nível superior. Fotógrafo, ele registrou as mudanças ocorridas em sua família e as transformações vivenciadas pela comunidade japonesa. Tomie Ohtake foi uma grande artista plástica, uma japonesa que se naturalizou brasileira e conquistou espaço, fama e prestígio entre os artistas e a população do país, sendo considerada a ‘dama das artes plásticas brasileira’.

O documentário foi produzido pela TV japonesa NHK e veiculado pela TV Brasil.

“Ingleses em Pernambuco” (por Semira Adler Vainsencher, FUNDAJ); Documentário “Cemitério dos Ingleses guarda histórias, lembranças e lendas” (Diário de Pernambuco)


No começo do século XIX, quando o príncipe regente D. João abriu os portos do País, os ingleses começaram a chegar ao Brasil – em especial, para São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife. A Inglaterra era possuidora de uma frota poderosa que percorria o mundo, e os ingleses esperavam encontrar aqui uma boa oportunidade para expandir sua indústria e comércio, bem como obter o máximo de lucro.

Naquela época, a cidade do Recife possuía, aproximadamente, 200.000 habitantes, e a colônia inglesa já se apresentava de forma bastante expressiva…


“Há 65 anos, Bahia recebia quase 500 imigrantes italianos” (por gshow – Aprovados, 2015)

Ao final da Segunda Guerra Mundial, quatrocentos e cinquenta e oito italianos emigraram para a Bahia em busca de novas oportunidades. O historiador Dr. Guiseppe Benedini, professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), relata como ocorreu a chegada e a distribuição desses imigrantes.

http://gshow.globo.com/Rede-Bahia/Aprovado/noticia/2015/09/ha-65-anos-bahia-recebia-quase-500-imigrantes-italianos.html

Documentário “Imigrantes alemães – O outro lado”


Berço da colonização alemã no Brasil, a região do Vale do Sinos (Rio Grande do Sul, Brasil), é conhecida por sua riqueza e prosperidade. Tal imagem positiva é usualmente associada ao trabalho dos imigrantes que se instalaram no local. Entretanto, nem todos os habitantes de raízes germânicas tiveram êxito na região – o que dificilmente é mencionado na mídia ou sequer passa pelo imaginário social. Sim, há descendentes de alemães que, assim como outros brasileiros, penam e lutam pela sobrevivência no país das desigualdades sociais. ‘Imigrantes Alemães – O Outro Lado’ é um documentário produzido pelas então estudantes de jornalismo Bruna Sensi e Sabrina Auler (Universidade Feevale).

Destacam-se os depoimentos dos professores Dr. Arthur Rambo, Dr. Martin Dreher e da professora Dra. Roswithia Weber.