“Histórias para contar de novo” (TV Rio Sul)

A série “Histórias para contar de novo”, exibida pela TV Rio Sul na ocasião do seu 25º aniversário, conta histórias de imigrantes que escolheram viver no Sul do Rio de Janeiro. Ela mostra a “trajetória de desenvolvimento, superação e conquistas de pessoas que vivem nas cidades que ficam na área de cobertura da TV Rio Sul, afiliada da Rede Globo”.

Equipe:

  • repórter: Diego Gavazzi;
  • repórter cinematográfico: David Cordeiro;
  • produtora: Raquel Ribeiro;
  • editora: Ana Paula Garcia
  • editora de imagens: Sol Novais.

A série está dividida em cinco partes:

Parte 1: Porto Real (RJ) – Imigrantes italianos

“Porto Real teve sua colonização efetivamente iniciada no fim do século XIX, em princípios de 1875, quando chegaram ao Brasil, a convite de D. Pedro II, os primeiros imigrantes italianos, vindos das cidades de Novi di Modena e Concordia Sulla Secchia, província de Modena”.

https://globoplay.globo.com/v/4285881/

Parte 2: Penedo (RJ) – Imigrantes finlandeses

“Finlândia, início do século XX. O agricultor Toivo Uuskallio afirma ter recebido um chamado divino: deixar a Europa em busca de uma vida simples, saudável e radicalmente natural. Mas ele não iria sozinho. Com a ajuda de amigos, a ideia é espalhada de norte a sul do país. Homem viajado, Uuskallio decide que o Brasil era o destino ideal”.

https://globoplay.globo.com/v/4288469/

Parte 3: Visconde de Mauá – Imigrantes alemães

“Dona Elena e o marido Roberto Bühler, um dos sete filhos do casal Christoph e Anne Marie, vieram de Sttutgart, na Alemanha, em 1913. Cinco anos antes, outros alemães, além de suíços e austríacos, desembarcaram na região de Visconde de Mauá. Terras até então esquecidas, que despertaram interesse depois da crise da escravidão e do café no Vale do Paraíba. Os imigrantes seriam a base dos núcleos coloniais, patrocinados pelo governo brasileiro com o objetivo de produzir frutas europeias e cereais. Mas não deu certo”.

https://globoplay.globo.com/v/4291040/

Parte 4: Sul do Rio de Janeiro – Imigrantes: francês, japonês, alemão e egípcio

“Um francês, um japonês, um alemão e um egípcio. Unidos pela ordem e pelo progresso. Seisan line. Hat al entäg. Fertigungslinie. Ligne de production. Production line. Ou em bom português, linha de produção. É ela a responsável por incrementar esse intercâmbio de idiomas no Sul do estado, isso desde que a primeira montadora se instalou por aqui, em 1996. De lá pra cá, centenas de estrangeiros ajudaram a mudar a cara da nossa economia e até hoje colaboram para consalidar a vocação industrial da região”.

https://globoplay.globo.com/v/4293992/

Parte 5: Volta Redonda (RJ) – Imigrante português

“Lisboa, 10 de setembro de 1952. Um jovem de 15 anos segue para o Brasil com autorização dos pais. Deveria ser entregue ao tio, senhor Antônio Madeira, morador da Avenida Joaquim Leite, em Barra Mansa. Esse garoto era seu Abílio e não vinha passear. “Havia uma crise tão ruim lá, que até a alimentação, comida, só era do sustento da terra. A pessoa tinha que trabalhar na lavoura, para colher o fruto que plantava, para poder sustentar a família”, disse o comerciante Abílio Marques”.

https://globoplay.globo.com/v/4296547/

Para apreciar a matéria escrita, acesse:

http://g1.globo.com/rj/sul-do-rio-costa-verde/noticia/2015/07/historia-de-imigrantes-e-tema-de-serie-especial-da-tv-rio-sul-parte-5.html

Documentário: “História e cultura alemã no estado de São Paulo” (Programa Viva Alemanha 2013/2014 – Realização da Secretaria de Estado da Educação – Governo do Estado de São Paulo)

Imigrantes e descendentes de alemães contam como vieram parar no estado de São Paulo. Histórias que merecem ser contadas e compartilhadas para inspirar alunos e professores a conhecer um pouco mais da Alemanha presente em nosso estado.

“Gigantes do Brasil” -Minissérie brasileira do History Channel -, desenvolvida pela Boutique Filmes

“Gigantes do Brasil” aborda a trajetória de quatro empreendedores que trabalharam para transformar o Brasil rural em uma nação industrializada: Francesco Matarazzo, Percival Farquhar, Giuseppe Martinelli e Guilherme Guinle. A trama abarca o período entre o fim do século XIX e meados do século XX. Trata-se de uma rica produção, que mistura linguagem narrativa biográfica com depoimentos de historiadores e empresários da indústria nacional.

Documentário “O Povo do Livro” (direção de Flávia Seligman)


‘O Povo do Livro’, da série Mundo Grande do Sul, de 2001. O programa inicia com citações bíblicas e conta a chegada dos primeiros grupos de judeus ao Rio Grande do Sul. Vindos através da Associação de Colonização Judaica, a ICA, a partir de 1904, os judeus iniciaram sua imigração em Philippson, perto de Santa Maria. O documentário apresenta a arte feita pelos judeus no estado, que tem como destaque artistas plásticos como Alfredo Nicolaiewsky e Carlos Scliar. O escritor Moacyr Scliar, imortalizado em 2003 pela Academia Brasileira de Letras, faz importante depoimento sobre a cultura judaica. Com roteiro de Glênio Póvoas, ‘O Povo do Livro’ tem direção de Flávia Seligman e narração de Zé Victor Castiel. Trilha sonora de Geraldo Flach, fotografia de Jaime Lerner e produção de Lisiane Cohen. Realização da RBS TV.

Documentário “Eretz Amazônia: os judeus na Amazônia”, dirigido por Alan Rodrigues, 2004


O documentário conta a saga da imigração dos judeus oriundos do Marrocos para a Amazônia a partir de 1810.
Em algum momento na história de um povo perseguido, a Amazônia se tornou a eretz, a terra da promissão. É essa aventura que o documentário conta com depoimentos e reconstituições de época.
A base histórica do documentário é o livro Eretz Amazônia, do pesquisador amazonense Samuel Benchimol, que no final dos anos 80 e início dos anos 90, fez um levantamento completo das famílias judaicas que se estabeleceram na Amazônia.
Filme vencedor do primeiro DOC-TV no Estado do Pará em 2004. Lançado em rede nacional pela Tv Cultura em 2005 (por Judaismo para Todos).

Direção: Alan Rodrigues

Co-direção: David Elmescany

Produção Executiva: David Salgado Filho

Co-produção: Alan Rodrigues / Digital Produções / TV Cultura – Pará / TV Cultura São Paulo

Continua nas partes 4 e 5:

Documentário “El tren de la memoria”, dirigido por Marta Arribas e Ana Pérez, 2005.


España. Años sesenta: Dos millones de españoles salen del país empujados por la necesidad. Su destino: Alemania, Francia, Suiza y los Países Bajos. La mitad son clandestinos y viajan sin contratos de trabajo. El ochenta por ciento son analfabetos. Ante ellos se levanta el muro del idioma y las costumbres diferentes.

España. En la actualidad: Otros necesitados llaman a la puerta de un país próspero. Casi nadie se acuerda de la otra historia. Josefina sí. Ella recuerda su viaje en el tren de la memoria. Destino: Núremberg, Alemania.

EL TREN DE LA MEMORIA retrata el éxodo de dos millones de españoles que buscaron la prosperidad en Europa en los años sesenta. Se fueron para unos meses, se quedaron treinta años. El documental pretende cubrir una laguna en la reciente historia de España y saldar una deuda con los protagonistas de unos tiempos difíciles de los que apenas sabemos algo más que una escueta historia oficial y unos cuantos tópicos.

Documentário “Libertários”, 1976 (produção, roteiro e direção de Lauro Escorel Filho)


Documentário sobre a história do início do movimento operário, liderado pelos anarquistas. Mostra a transformação dos imigrantes nos primeiros operários urbanos e faz uma crônica das greves mais importantes, dos sucessos e derrotas do movimento, desde o fim do século passado até 1922. O filme resgata a história da força anarquista na luta operária e seu papel na criação deste movimento.