Documentos históricos

Para Consultoria em História da Família, visite a página neste blog.

Para Consultoria em Pesquisa Histórica, acesse o site: https://cpesquisahistorica.wordpress.com/

Decreto n. 3010, de 20 de agosto de 1938 (Brasil, Consulado Geral Buenos Aires).

 

 

Ano 1954.

 

 

 

 

Passaporte de Stefan Sweig com visto para o Brasil, 10/09/1940 (Biblioteca Nacional Digital)

http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_manuscritos/mss861.pdf

 

Contrato de transporte de cem famílias suíças para o Rio de Janeiro (Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin)

(PDF) https://digital.bbm.usp.br/bitstream/bbm/1526/1/45000000088_Output.o.pdf

 

A Nansen certificate issued by the UK to a Russian Jewish refugee (By Huddyhuddy via Wikimedia Commons, CC by BY-SA).

 

Colônia de São Pedro de Alcântara, primeira colônia alemã do estado de Santa Catarina, fundada em 1 de março de 1829 (Biblioteca Nacional Digital).

 

“Villa de São Leopoldo e distribuição das colônias e caminhos no atual estado do Rio Grande do Sul”, [182?] (Biblioteca Nacional Digital).

 

Área a ser destinada a lavradores chineses, Lorena (SP), s/d (Museu da Imigração do Estado de São Paulo).

 

Deslocados de guerra – Imigrantes localizados no Estado de São São Paulo (Museu da Imigração do Estado de São Paulo).

 

“Esquema de serviços da Hospedaria de Imigrantes do Brás, 1920-1929” (Museu da Imigração do Estado de São Paulo).

 

“Os portuguezes no Brazil”, 1886. Anais BN, v. 85, p. 101 (Biblioteca Nacional Digital). Trata-se da resposta aos insultos lançados à colônia portuguesa no Brasil.

http://memoria.bn.br/DOCREADER/DOCREADER.ASPX?BIB=778222

 

Couverture d'un journal italien sur l'émigration clandestine

“La tragédie de l’émigratio clandestine. La Domenica del Corriere, 17 novembre 1946” – Musée National de L’Historie et Cultures de I’mmigration.

 

“Memória sobre o estabelecimento d’uma companhia de colonisação nesta província”, Bahia, 1835 (ABRANTES, Miguel Calmon du Pin, ALMEIDA, Marquês de)

Trata-se da introdução do “braço” imigrante nas lavouras da Bahia.

Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (livro digital)

https://digital.bbm.usp.br/view/?45000011662&bbm/4948#page/4/mode/2up

 

Divisões internas de um vapor (Fondazione Paolo Cresci)

 

Documento de viagem palestino, 1924 (by Jeff Crisp)

 

 

Japoneses no Brasil, 1908-1956. Informações Estatísticas, n. 10, 1957.

(PDF) Japoneses no Brasil_1908_1956

 

(Fondazione Paolo Cresci)

 

(Fondazione Paolo Cresci)

“Capa do jornal ‘Al-Afkar’, produzido pela colônia de imigrantes árabes, 1908” (Arquivo Público do Estado de São Paulo).

“Os imigrantes árabes tinham origens das mais diversas, vinham do Líbano, da Síria, da Turquia, do Iraque, do Egito ou da Palestina. Assim, representavam povos diferentes que com suas respectivas organizações políticas, compartilhavam fundamentos comuns como a língua, ou os dialetos derivados do árabe, e a cultura.
A razão dos povos árabes emigraram, foi basicamente por motivos religiosos e econômico-sociais ligados à estrutura agrária dos países de origem. A maioria dos imigrantes árabes se dirigiu para São Paulo, o menor número foi para o Rio de Janeiro e Minas Gerais; poucos foram para o Rio Grande do Sul e Bahia” (Arquivo Público do Estado de São Paulo).

Passaporte de Emeric Marcier (Museu de Arte Sacra)
Visto britânico emitido em Viena para um portador alemão, 1939.

Dos arquivos australianos: memorando apresenta recusa de acolhimento de refugiados, 1978 (por Jeff Crisp)