Documentário “Ei-los que partem”

O precioso documentário sobre a emigração portuguesa, dividido em cinco episódios, conta com a participação de influentes pesquisadores portugueses e brasileiros.

Episódio 1 – “Ei-los que partem: primeiros emigrantes”

 

Episódio 2 – “Ei-los que partem: história da emigração portuguesa”

 

Episódio 3 – “Ei-los que partem: história da emigração portuguesa”

 

Episódio 4 – Ei-los que partem: a sangria da pátria”

 

Episódio 5 – “Ei-los que partem: a emigração portuguesa para o Luxemburgo”

“Fontes e bibliografia para o estudo da emigração [portuguesa] para o Brasil” (Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade – CEPESE – PT)

“Inventário exaustivo das fontes e bibliografia para o estudo da emigração portuguesa para o Brasil, por autor, título e ano de publicação”.

http://www.remessas.cepese.pt/remessas/mod/itsdatabase/view.php?n=4&v=5&action=exec

 

“As origens da política portuguesa de emigração” – Entrevista com Miriam Halpern Pereira (por Filipa Pinho) – Observatório da Emigração (OEm)

“Miriam Halpern Pereira, Professora Catedrática Emérita de História no ISCTE-IUL, doutorada em História pela Sorbonne, foi ainda diretora e fundadora do Centro de Estudos em História Social Contemporânea. O tema da emigração portuguesa tem sido recorrente no seu percurso de investigação. De entre as suas publicações neste domínio destaca-se o livro A Política Portuguesa de Emigração (1850-1930). Em sua homenagem, foi publicado, em 2009, o livro Desenvolvimento Económico e Mudança Social. Portugal nos Últimos Dois Séculos, ornanizado por José Vicente Serrão, Magda Avelar Pinheiro e Maria de Fátima Sá e Melo Ferreira”.
Como citar  Pinho, Filipa (2016), “As origens da política portuguesa de emigração: entrevista com Miriam Halpern Pereira”, OEm Conversations With, 3, Lisboa, Observatório da Emigração, CIES-IUL, ISCTE-IUL. DOI 10.15847/CIESOEMCW032016.

Relatos: “Viagem ao fim da noite” – Emigração portuguesa para França (por Museu das Migrações e das Comunidades, Fafe, Portugal).

VIAGEM AO FIM DA NOITE

Os 84 portugueses pensavam encontrar o paraíso em França: condenados por entrada ilegal – 100 francos de multa.

“ESGOTADO, COM OS PÉS GELADOS, O EMIGRANTE CLANDESTINO CAIU NUM PRECIPÍCIO”.

“Sete noites a andar…era preciso continuar com os homens, senão eles abandonavam-nos…nenhuma mulher aceitava a viagem se ela soubesse…era preciso ultrapassar montanhas, rios…caímos todos numa ribanceira, nem sei como não morremos”.

“Nós íamos de prisão em prisão, algemados, como se fossemos criminosos ou selvagens…”

“A neve não nos largava…demorámos um mês para chegar. Não sei como não morri”.

“Eu preferia morrer de fome em Portugal do que vir como vim. Se recomeçasse eu morria…quando já tinha passado a fronteira espanhola era capaz de voltar para traz se conhecesse o caminho; nem que perdesse o dinheiro da viagem…nunca permitirei a um filho meu vir desta maneira”.

“Eles queriam abandonar-nos no meio da neve. Eles podiam matar-nos. Estávamos perdidos, não salvámos nada. Encontrámos um português que estava doente, depois de 3 dias na montanha ele não podia engolir nada de tanta febre que tinha”.

“O passador tinha prometido que não andávamos mais a pé e nós andámos todo o tempo, 82 hora a pé…estava tão cansado. Trouxe uma camisa e uma camisola. Deixei tudo…tinha tanto sono que abandonei tudo…atravessei três rios…era preciso entrar na água…”

“Os animais vivos num vagão fechado eram clandestinos portugueses”

Jornal France Soir, 9 Fevereiro 1964

“A viagem de camião é pior que a marcha a pé…sempre tudo fechado, sem se poder respirar, sentia-me tão mal que até desejava ser preso para voltar para Portugal”.

Para chegar a França, 21 portugueses (entre os quais 5 mulheres, uma criança de 5 anos e 2 bebés) caminharam durante 27 dias.

“A emigração portuguesa nos anos 60” (século XX)