“Projeto Suíços do Brasil”

O “Projeto Suíços do Brasil”, iniciado em 2007, é uma ação conjunta da Embaixada da Suíça no Brasil e do Consulado Geral da Suíça em São Paulo, que tem o “intuito de revelar a história da presença suíça em terras brasileiras e, por meio do material histórico e biográfico (…), resgatar os laços das relações suíço-brasileiras ao longo dos anos”.

O Projeto disponibiliza, a todos os interessados no tema, precioso acervo documental e iconográfico da história da imigração suíça no Brasil, desde os primeiros imigrantes que chegaram ao país até os dias atuais.

 

http://www.suicosdobrasil.com.br/introducao.html

 

“Providências para a jornada da Colônia Suissa desde o Porto do Rio de Janeiro até Nova Friburgo”, 1819.

“Providências para a jornada da Colônia dos Suissos desde o Porto do Rio de Janeiro até Nova Friburgo em Morro-queimado no Distrito da Villa de S. Pedro de Canta-gallo; dadas em consequência das Ordens de Sua Majestade” (por Pedro Machado de Miranda Malheiro – Chanceler Mór do Reino e Inspetor da Colônia Suíça).

Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

https://digital.bbm.usp.br/view/?45000011667&bbm/4960#page/6/mode/2up

(PDF) Providências para a jornada da Colônia Suissa…

Ver o contrato de transporte das famílias suíças em “DOCUMENTOS HISTÓRICOS”.

FONTES HISTÓRICAS PARA ESTUDAR A IMIGRAÇÃO

Registros oficias, pessoais, orais e outros podem ser utilizados na análise do fenómeno migratório.

Existe uma extensa gama de fontes que auxiliam o acompanhamento da trajetória de diversos grupos de imigrantes que chegaram no Brasil no século XIX. Pode se tratar de publicações oficiais, relatórios de ministérios, atas das câmaras municipais e registros em cartório, ou obras de cronistas estrangeiros e brasileiros, documentação paroquial, arquivos privados, pessoais e fotográficos, além de depoimentos orais de descendentes dos imigrantes.

Marieta de Morais Ferreira tem como foca a imigração suíça para Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, e para seu estudo analisa as informações contidas nessas fontes citadas e aponta suas possibilidades de uso e limitações. Além disso, compara os registros das fontes escritas e orais, demonstrando, assim, suas similaridades e diferenças.

Para visualizar a publicação completa, clique  aqui

Ver o post original