“Consulte o Registro de Estrangeiros”, 1939-1943 (Circolo Italiano di São João da Boa Vista, SP)

O Circolo Italiano di São João da Boa Vista, formado por um grupo de ítalo-brasileiros que divulgam a cultura da Itália, terminou de digitalizar os livros do Registro de Estrangeiros em fevereiro de 2017, após um ano de intenso trabalho. Os documentos originais estão sob custódia do Arquivo Municipal Matildes Salomão, localizado no Centro Cultural Pagu, e têm os depoimentos de imigrantes que estavam na cidade entre os anos de 1939 e 1943. (…)

As raridades foram recuperadas, em meados de 1997, pelo professor João Batista Scannapieco, um dos fundadores do Arquivo Histórico. Além da coleção, existe ainda um índice, que aponta para a existência de 15 volumes com depoimentos. Apenas sete foram localizados pelo historiador e tombados no patrimônio municipal.

Instituído por Getúlio Vargas, o Registro de Estrangeiros era um serviço especial da Polícia Civil. Investigadores e delegados foram incumbidos de ouvir todos os imigrantes que estavam no país na época da Segunda Guerra Mundial. Em seus depoimentos, homens e mulheres eram obrigados a falar sobre sua origem, mencionar datas de nascimento e de chegada ao Brasil, dizer o nome da embarcação na qual vieram e em qual porto chegaram. Somente após o depoimento é que os imigrantes poderiam requerer a Cédula de Identidade Modelo 19, identificação especial para quem vinha do exterior. Além das informações pessoais, os estrangeiros mencionavam dados familiares, como o nome e a idade dos filhos, o que hoje auxilia no resgate das árvores genealógicas de mais de 600 famílias da região. Ao todo, o Circolo digitalizou 1066 páginas, não só dos depoimentos de italianos, mas também de portugueses, espanhóis, libaneses, sírios, japoneses, turcos, argentinos e alemães. Entre outras utilidades, as cópias podem facilitar o caminho de quem ingressa com processos de reconhecimento de dupla cidadania.

Para consultar os livros, acesse o link:

http://www.saojoao.sp.gov.br/home/pdf/circoloitaliano.pdf

“La Isla de Ellis” (HDNH)

“La puerta del ‘Paraíso’. Es una isla situada al lado de la Estatua de la Libertad, por la que millones de inmigrantes pasaron antes de comenzar una nueva vida en los Estados Unidos, que no siempre fue mejor que la que dejaron en Europa. Llevados unos, por los cánticos del oro, otros por la aventura, otros por no pasar hambre; aunque todos tenían un objetivo común, tener más calidad de vida y un futuro para ellos y sus familias”.

http://hdnh.es/la-isla-de-ellis/

 

By Immigrants, For Immigrants: Why “Casablanca” Still Matters (by Noah Gittell).

“Like many films of its era, Casablanca was made primarily by European immigrants or their offspring. Director Michael Curtiz was Hungarian-born, and screenwriters Julius and Philip Epstein were the children of Jewish immigrants, while their film was teeming with actors who had also fled Europe in the previous two decades. (Sakall played Carl, the head waiter of Rick’s Café Américain.) This demographic on set was not unusual. As recounted in Neal Gabler’s An Empire of Their Own, Hollywood and the American myths it perpetuated were in fact created almost entirely by Jewish immigrants. Gabler writes, ‘These Eastern European Jews, so afraid of being seen as un-American, helped create our modern American culture'”.

Casablanca

https://lareviewofbooks.org/article/immigrants-immigrants-casablanca-still-matters/

No “Guia do emigrante para o Império do Brazil”, publicado em 1884, além da abordagem geral sobre imigração e dados referentes ao Império, encontra-se um rico material sobre as colônias de imigrantes localizadas em diversas províncias. (Brasiliana Digital, USP)

(PDF) Guia do imigrante para o Imperio do Brasil

http://www.brasiliana.usp.br/bitstream/handle/1918/01825600/018256_COMPLETO.pdf