“Como estrangeiros ajudaram a contar a história de Casa Forte e das redondezas” (por Marina Suassuna)


Ao longo de sua história, a cidade do Recife conviveu com várias levas de migração e a presença destes imigrantes ajudou a construir a história da nossa cidade e consequentemente dos nossos bairros. Na Zona Norte do Recife, os bairros vizinhos de Casa Forte, Poço da Panela e Apipucos foram bastante marcados pela presença de estrangeiros.

https://poraqui.com/casa-forte/como-estrangeiros-ajudaram-a-contar-a-historia-de-casa-forte-e-suas-redondezas/

“Ingleses em Pernambuco” (por Semira Adler Vainsencher, FUNDAJ); Documentário “Cemitério dos Ingleses guarda histórias, lembranças e lendas” (Diário de Pernambuco)


No começo do século XIX, quando o príncipe regente D. João abriu os portos do País, os ingleses começaram a chegar ao Brasil – em especial, para São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife. A Inglaterra era possuidora de uma frota poderosa que percorria o mundo, e os ingleses esperavam encontrar aqui uma boa oportunidade para expandir sua indústria e comércio, bem como obter o máximo de lucro.

Naquela época, a cidade do Recife possuía, aproximadamente, 200.000 habitantes, e a colônia inglesa já se apresentava de forma bastante expressiva…


Documentário “Doce Brasil Holandês” (direção e produção de Monica Schmiedt)

A família Wanderley, Vanderlei, van der Ley

Sinopse

Os holandeses invadiram e tentaram colonizar o Brasil no século 17. Dos 24 anos que ficaram no país, sete estiveram sob o governo do alemão/holandês João Maurício de Nassau. Até hoje, aquela época é lembrada como melhor que a atual. Mas porque um povo teria saudade de um invasor?

Unidas por um sobrenome comum, duas historiadoras, a brasileira Kalina Vanderlei e a alemã Sabrina van der Ley, se encontram no Recife e exploram o mito que se criou acerca desse curtíssimo período da história brasileira, status esse, que se estende ao sobrenome Wanderley, por remeter a “época dourada” em que o Brasil foi holandês.

Juntas, Sabrina e Kalina desvendam Maurícia – atual Recife – a cidade planejada  construída por Nassau, que tinha um observatório astronômico e a maior ponte do novo mundo. Discutem o legado artístico e cultural deixado por Nassau para entender o porquê dessa nostalgia. Maurício de Nassau é definido por alguns moradores do Recife como “o melhor prefeito que a cidade já teve”.